quinta-feira, 31 de maio de 2012

Conheço a Residência da Dor


Conheço a residência da dor.
É um lugar afastado,
Sem vizinhos, sem conversa, quase sem lágrimas,
Com umas imensas vigílias diante do céu.

A dor não tem nome,
Não se chama, não atende.
Ela mesma é solidão:
Nada mostra, nada pede, não precisa.
Vem quando quer.

O rosto da dor está voltado sobre um espelho,
Mas não é rosto de corpo,
Nem o seu espelho é do mundo.

Conheço pessoalmente a dor.
A sua residência, longe,
Em caminhos inesperados.

Às vezes sento-me à sua porta, na sombra das suas árvores.
E ouço dizer:
"Quem visse, como vês, a dor, já não sofria".
E olho para ela, imensamente.
Conheço há muito tempo a dor.Conheço-a de perto.
Pessoalmente.
Cecília Meireles








Canção Em Rota de Vôo


Antes os dias eram apenas dias:
perdas e ganhos, tarefas cumpridas,
solidão e algumas alegrias.
Agora, objetos familiares
ganham contornos de sonho,
palavras são aves do paraíso,
o cotidiano virou do avesso
e se tornou milagre.
Quero um novo amor, tão leve
como se dançasse numa praia uma menina.
Lya Luft

Rugas


Estou amando tuas rugas, mulher.
Algumas vi surgir, outras aprofundei.
Olho tuas rugas, compartilho-as, narciso exposto no teu rosto.
Ponho os óculos para melhor ver na tua pele
as minhas - tuas - marcas.
Sei que também me lês, quando nas manhãs, percebes em minha face
o estranho texto que restou do sonho.
O que gastou, somou.
Essas rugas são sulcos onde aramos a messe do possível amor.
Affonso Romano de Sant´Anna

terça-feira, 29 de maio de 2012

À Tua Espera



Estou diariamente à tua espera
como quem espera um astro pela noite

Defino-te em segredos
Revejo-te em memória

Invejo-te
Construo a tua boca sem palavras
Construo este silêncio em que me prendo.
João Rui de Sousa

domingo, 27 de maio de 2012

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Arte Poética




Que o verso seja como uma chave
que abra mil portas.
Uma folha cai; algo passa voando;
que tudo quanto vejam os olhos criado seja,
e a alma de quem ouve fique tremendo.

Inventa mundos novos e cuida de tua palavra;
o adjetivo, quando não dá vida, mata.
Estamos no ciclo dos nervos.
pendura o músculo,
como lembrança, nos museus;
mas nem por isso temos menos força:
o vigor verdadeiro
reside na cabeça.

Por que cantais a rosa, oh poetas!
fazei-a florescer no poema.

Só para nós
vivem todas as coisas sob o Sol.

O poeta é um pequeno Deus.
Vicente Huidobro

segunda-feira, 21 de maio de 2012

O Vento e Eu


O vento morria de tédio
Porque apenas gostava de cantar
Mas não tinha letra alguma para a sua própria voz,
Cada vez mais vazia...
... Tentei então compor-lhe uma canção
Tão comprida como a minha vida
E com aventuras espantosas que eu inventava de súbito,
Como aquela em que menino eu fui roubado pelos ciganos
E fiquei vagando sem pátria, sem família, sem nada neste vasto mundo...
Mas o vento, por isso
Me julga agora como ele...
E me dedica um amor solidário, profundo!
Mario Quintana

domingo, 20 de maio de 2012

Pequenos Sons de Outono



A folha que,
já seca,
o impulso sente
e estala
e solta
e salta
e voa ao vento,
de um mês de abril
que teima e ainda é quente,
se junta às outras folhas no cimento
em roda de ciranda,
docemente,
e brinca,
pula,
dança,
- é sentimento -
e faz um quase guizo
diferente do grito
de ser livre no momento...

E o galho que,
desnudo,
resistiu,
agora sem a folha desgarrada,
emite ao vento
um longo assobio pungente
de uma voz desconsolada
anunciando o tempo à frente
- o frio -
seu único parceiro,
só,
mais nada...

17/04/2012
Cesar Veneziani




No momento não é prudente plantar muito. Plantei tanto no verão que agora volta e meia brota alguma folha que simplesmente não sei o que será. E tenho medo de atrolhar a terra por dentro: se houver alguma coisa querendo nascer e não houver espaço?
Caio Fernando Abreu

Ah, se eu pudesse escrever com os olhos, com as mãos, com os cabelos - com todos esses arrepios estranhos que um entardecer de outono, como o de hoje, provoca na gente.
Caio Fernando Abreu

O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade… sei lá de quê.

Florbela Espanca

sexta-feira, 18 de maio de 2012

O Vazio


Por vezes de repente há um vazio
nem um gesto nem voz nem pensamento
terrível como a foz do grande rio
onde vai dar algures o esquecimento.

Nem branco ou negro nem sequer cinzento
um calor sem calor. Frio sem frio.
Não há nada por fora. E nada dentro.
Não é menos nem mais. É só vazio.
Manuel Alegre

Rochedo


Ergo-me diante do mar
Solitário
Com minhas asas de pedra
Desafiando as ondas
que procuram caminhos
Debatendo-se sobre mim
Ali, vivo personagens
Que desfilam entre o céu e a terra
E torno-me o canto de uma sereia
O vôo das gaivotas
Uma estrela que surge nos braços da noite
E o canto na voz do vento
que chora no som do mar!
Conceição Bentes

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Da Certidão de Nascer



Nasci onde?
Nasci onde a geografia se faz de sentimento



Ali nasço
Ali nasço ainda.
Cada manhã.
Em cada manhã de medo.
Arremedo.
Degredo a degredo.
Em cada impulso, incompetência.
Na eterna e suave ironia do destino
de mais sentir que saber.


De saber
apenas sei
de quantas palavras
se faz a canoa de afetos.
Embora caminhe torto
por sonhos retos.

Muito aprendi
da palavra engolida em seco.
E da palavra abatida
por palavras de equívoco
e sutis alvenarias de cinismo.

Permaneço aqui
mesmo assim.
Nasço onde a geografia se faz de sentimento.
Entre princípio e fim de mundo.
Aurora a aurora.
Segundo a segundo.
Lindolf Bell




No ponto onde o silêncio e a solidão
Se cruzam com a noite e com o frio,
Esperei como quem espera em vão,
Tão nítido e preciso era o vazio.
Sophia de Mello Breyner Andresen

A Lenda


Diz uma lenda que, certa vez,

Deus e um poeta se falaram:


— E, aí, poeta, algum plano imediato?

— No momento, subir a escada, entrar no quarto,

abrir as janelas, pensar-sentir… E encantá-Lo.


(Diz a lenda que Deus chorou).
Ramiro Conceição