sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Solidão


A solidão é como uma chuva.
Ergue-se do mar ao encontro das noites;
de planícies distantes e remotas
sobe ao céu, que sempre a guarda.
E do céu tomba sobre a cidade.

Cai como chuva nas horas ambíguas,
quando todas as vielas se voltam para a manhã
e quando os corpos, que nada encontraram,
desiludidos e tristes se separam;
e quando aqueles que se odeiam
têm de dormir juntos na mesma cama:
então, a solidão vai com os rios
 
Rainer Maria Rilke

Um comentário:

  1. ...onde muito dos minutos se transformam em passarelas cinzentas com som único de distância desenfreada,
    onde o frio invade seu corpo, a chuva molha seu rosto com respingo amigo mostrando que lá na frente esta o sol... Tina Pau;p

    ResponderExcluir