sábado, 6 de março de 2010

O Momento da Queda


Dentro do espelho busco a resposta,
mas só o tempo levará os rancores
que ele mesmo incrustou na parede.
Procuro os longos bicos que buscaram o néctar
naquelas manhãs de um abril azulado,
quando as flores ainda se sentiam livres
porque do seu perfume as abelhas sabiam.
A minha pele avisa que o seu brilho pode apagar,
mas as batidas do coração seguem no ritmo da infância
e dos dias ensolarados
que sacudiam as copas das árvores.
Difícil é o trajeto das folhas entre a seiva e o cansaço.
Só mesmo um olho treinado para o espanto
conseguirá sobrevoar o momento da queda.
Basilina Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário