segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Cavalgada


Eis que olhei para trás
e meus erros haviam secado
pendurados nos galhos do tempo.

Havia uma voz no vento,
tomei meu cavalo e a segui.
Na algibeira paz derradeira
de quem ama a solidão.

E quando a noite do fim dos dias
tocar-me a face com os negros dedos,
docemente entregarei o corpo à terra,
soltarei o alazão às pastagens
e a alma...à imensidão.
Lenise Marques

Nenhum comentário:

Postar um comentário