segunda-feira, 31 de agosto de 2009

A Brevidade da Rosa


Não sobreviverão meus poemas
às ondas do tempo,
humildes barcaças que são.

Não deixarei descendentes,
se perderá minha linhagem
no voraz roldão dos anos.

Transitória, breve,
como a rosa desfolhada
cujas pétalas agora voam
ao suave vento da tarde.
Mas leve,
...leve!
Lenise Marques

Nenhum comentário:

Postar um comentário