sábado, 28 de fevereiro de 2009

XXII

XXII

Poemas são caixas
Que se abrem em dedos,
Aos poucos se povoam recantos
De leve se iluminam segredos.
Fernando Campanella


Nenhum comentário:

Postar um comentário