quarta-feira, 20 de junho de 2012


De cigarras e pedras, querem nascer palavras.
Mas o poeta mora
A sós num corredor de luas, uma casa de águas.
De mapas -múndi, de atalhos, querem nascer viagens.
Mas o poeta habita
O campo de estalagens da loucura.
(espaço)
Da carne das mulheres, querem nascer os homens.
E o poeta preexiste, entre a luz e o sem-nome.
Hilda Hilst

Nenhum comentário:

Postar um comentário