domingo, 31 de janeiro de 2010

Meu Jardim


Tô relendo minha lida, minha alma, meus amores
Tô revendo minha vida, minha luta, meus valores
Refazendo minhas forças, minhas fontes, meus favores
Tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores

Tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho
Tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho
Tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho
Escrevendo minhas cartas, meu começo, meu caminho

Estou podando meu jardim
Estou cuidando bem de mim
Vander Lee

Um comentário:

  1. Sábia Cora coralina e muito bem colocada a epígrafe do teu Infinito particular, para ser poeta tem que saber sentir a poesia que emana do todo e de todos, belo blog, beijo!

    ResponderExcluir